Como Alimentar Filhote de Cachorro – 8 Fases de Crescimento

Como alimentar filhote de cachorro

Os filhotes, assim como os bebês e crianças humanas, precisam de nutrientes específicos para essa fase de vida.

No primeiro mês de vida, a única alimentação que os filhotinhos precisam é o leite materno e quando começam a se alimentar de comida sólida, devem receber uma dieta rica em cálcio e proteínas para crescerem fortes e saudáveis.

Fases do filhote

A princípio você pode achar que os cães nascem, passam de recém-nascidos para filhotes e logo depois já pulam para a fase de adolescência num piscar de olhos.

Mas na verdade, o crescimento deles não acontece assim, de uma vez só.

Independente da raça e do porte de cada animal, todos os filhotes passam por nada menos que 8 estágios de desenvolvimento desde que sem da barriga da mãe até chegar ao final da fase de filhotes.

Primeiro estágio – 0 a 2 semanas de vida

Este é o estágio neonatal, ou seja, é o primeiro período de vida do cão e começa no dia em que ele nasce.

Nesse momento os cães são muito vulneráveis a qualquer interferência externa e são extremamente delicados.

Eles não podem ouvir, ver e não possuem dentes. Não conseguem controlar a temperatura corporal e dependem 100% da mãe para sobreviver.

Os filhotes dormem praticamente o tempo todo e no restante do dia se alimentam.

Segundo estágio – 3 a 4 semanas de vida

Nesse momento os olhos já se abriram e a audição se desenvolve.

Eles se tornam pequenos exploradores, pois já conseguem ver o mundo à sua volta, ganham mais força nas pernas e são capazes de ficar sobre as patinhas sem cair.

Aqui eles possuem um pouco mais de independência, já conseguem evacuar sozinhos e nascem os primeiros dentes.

Terceiro estágio – 5 a 12 semanas de vida

Esse é o estágio da socialização e vai ser determinante para o comportamento futuro do filhote.

Eles devem ser expostos a experiências positivas, pois já começam a receber lições valiosas de interação com os irmãos.

A partir da 4ª semana de vida, a mãe passa a produzir menos leite e já é possível introduzir a papinha de desmame.

Quando estivem com 8 semanas de vida devem estar completamente desmamados e prontos para seguir para suas novas casas, se for o caso.

Quarto estágio – 9 a 11 semanas de vida

Nesse estágio os filhotes ainda precisam de cuidados por estarem vulneráveis a doenças infecciosas, portanto evite leva-los para locais frequentados por cães de rua ou não vacinados.

É aqui que começa o período do medo, eles vão se sentir assustados com situações novas, por isso é bom poupá-los de viagens ou de situações de estresse.

É um bom momento para começar sessões de adestramento e continuar o processo de socialização.

Quinto estágio – 13 a 16 semanas de vida

Aqui pode-se dizer que o seu cãozinho é um pré-adolescente. É comum morder muito e testar a paciência dos tutores para entender os seus limites.

É preciso oferecer a ele um ambiente estruturado, com rotina e regras claras e consistentes sobre o que pode e não pode. Nunca agrida o seu cão.

É interessante leva-lo para fazer atividades físicas e acostumá-lo com as idas frequentes ao veterinário.

Sexto estágio – 4 a 8 meses de vida

Aqui o seu filhote está ávido para conhecer o mundo e costuma ficar muito excitado com os passeios, cheirando tudo e todos ao seu redor.

Esse é um bom momento para introduzir e reforçar comandos.

Quando sair com ele, mantenha-o na guia para garantir a segurança do seu amigo. As mordidas podem aumentar, portanto dê a ele brinquedos e itens específicos para ele brincar de morder.

Sétimo estágio – 6 a 18 meses de vida

Esse período pode ser menor nas raças de pequeno porte e maior nas raças grandes.

Chegando a esse estágio, os cães estarão atingindo a maturidade sexual e podem apresentar comportamentos inadequados como marcar território com urina se forem machos.

As fêmeas podem entrar no cio e essa ebulição de hormônios vai causar um certo estresse gerando as primeiras brigas entre cães.

Não desanime, continue com o reforço positivo, o adestramento e a socialização.

Oitavo estágio – 6 a 14 meses de vida

Nessa fase de vida os cães passam por um segundo período de medo que pode causar mais impacto do que o primeiro.

É aqui que se manifestam terrores por conta de barulhos altos, a chega de visitantes, a interação de outros cachorros, etc.

É possível ajudar o seu bichinho a superar através de técnicas de dessensibilização apropriadas, nunca forçando o animal a enfrentar o medo sem que ele se sinta preparado para isso.

Alimentos recomendados

Os filhotes, assim como todos os cães independente da fase de vida em que se encontram, não devem ser alimentados com restos de comida humana.

Isso porque existem diversos alimentos que são inofensivos e triviais na nossa alimentação, mas que podem comprometer seriamente a saúde do cão.

Cães em desenvolvimento precisam de nutrientes específicos para um crescimento saudável.

Existe no mercado uma grande variedade de rações industrializadas próprias para filhotes, sendo elas secas em formato de grãos que já conhecemos bem, e as úmidas em formato de patê.

Rações industrializadas podem ser práticas e simples para o dia a dia corrido dos tutores, mas elas costumam ter produtos químicos, conservantes, corantes e diversos outros itens que tendem a gerar problemas de saúde nos peludos.

Oferecer uma dieta natural não é assim tão complicado e traz muitos benefícios para o seu animalzinho a curto e longo prazo.

Se ele se habituar a uma alimentação caseira desde cedo, só tem a ganhar em saúde e disposição.

Nessa fase de vida os cães podem consumir carnes e vísceras cruas, ovos e peixes e vegetais.

Eles têm dificuldade de digerir vegetais crus inteiros, você pode tritura-los ou oferece-los bem cozidos, inclusive inhame e cenoura.

Cozinhar os alimentos diminui os riscos de parasitas e bactérias intestinais e agrada mais ao paladar dos pets.

Quando forem ainda bem pequenos, a ração natural deve ser oferecida de forma pastosa, como uma papinha.

À medida que forem crescendo, passe a amassar os ingredientes grosseiramente para que ele consiga mastigar alguns pedaços maiores

Os alimentos que podem ser oferecidos crus ao seu cão são: maçã sem semente, morango, vagens, cenoura, mirtilo, melancia sem semente, banana, espinafre, pasta de amendoim.

Alimentos saudáveis quando cozidos são a abobrinha, batata doce, carne e fígado de frango, pipoca sem manteiga e sem sal.

Se você quer investir na alimentação natural para o seu cãozinho, procure um veterinário ou profissional habilitado em nutrição animal para auxiliá-lo no desenvolvimento de um cardápio saudável e que contemple todos os nutrientes que o seu bichinho necessita.

Alimentos proibidos para cães

Independente do estágio de vida do seu cão, existem alimentos que são totalmente proibidos por serem tóxicos para o seu peludo. Confira alguns deles:

Abacate

O abacate tem uma substância muito tóxica para os cães chamada persina. Ela se encontra não só no fruto, mas também na casca e nas folhas do abacateiro. Essa substância pode causar problemas gastrointestinais como vômito e diarreia.

Alho e cebola

Alho e cebola podem destruir as células vermelhas do sangue dos cães e causar anemia, falência renal e até ruptura intestinal em casos mais graves.

Cuidado com alimentos como molhos e pães recheados que podem estar temperados com alho e cebola.

Frutas secas, uvas e uva passa

Esse tipo de alimento é muito prejudicial para os cães, podem intoxicar rapidamente, causando insuficiência renal aguda.

Chocolate

O chocolate é a guloseima que os humanos mais gostam de dividir com seus pets, mas não deviam. O chocolate contém teobromina, substância tóxica para cães e gatos.

Se você desconfiar que seu cão comeu uma grande quantidade de chocolate sem permissão, corra para um veterinário, pois a intoxicação é rápida e pode ser mortal.

Frituras e gordura

Alimentos fritos e muito gordurosos podem causar vômitos e diarreia e em alguns casos até mesmo uma pancreatite. Evite oferecer ao seu cão queijos gordurosos, gordura animal em excesso, creme de leite, etc.

Café, chás e refrigerantes

Bebidas com cafeína podem causar danos ao sistema nervoso do animal, problemas urinários e cardíacos. Não deixe sem peludo nem chegar perto.

Leite e derivados

Boa parte dos cães tem intolerância a lactose, por isso é bom evitar não só o leite como também os derivados (queijo, iogurte, creme de leite, etc).

Bebidas alcoólicas

Nunca ofereça ao seu cão cerveja, vinho, espumantes ou qualquer outra bebida alcoólica. Esses alimentos podem causar vômitos, diarreia ou alterações no sistema nervoso central.

Como alimentar filhotes separados da mãe

Existem casos em que temos um ou uma ninhada completa de filhotinhos separados da mãe logo após o nascimento ou ainda em fase de amamentação.

Isso pode acontecer por vários motivos, ou por terem sido cruelmente abandonados, ou porque a mãe morreu no parto ou ainda porque ela está rejeitando os filhotes e não quer amamentar.

Os motivos que levam uma fêmea a rejeitar seus filhotes são vários.

Ela pode estar doente ou ter ficado doente logo após o parto, se foi necessário fazer uma cesariana, por exemplo, isso também pode acontecer.

Quando os filhotes são muito grandes ou a fêmea tem instintos maternos pouco desenvolvidos ela também pode abandonar a cria.

Diante de uma situação dessas é comum ter muitas dúvidas sobre como alimentar a ninhada corretamente para que eles cresçam fortes e tenham chances de sobreviver.

Substituir a mãe dos filhotinhos nessa fase tão inicial da vida deles requer muita dedicação e dá muito trabalho.

É preciso alimentar os filhotes corretamente, manter a temperatura corpórea deles e garantir que suas funções vitais se realizem adequadamente.

Se o filhote for recém-nascido, nos casos onde a mãe morre no parto, é importante leva-lo a um veterinário para que ele receba imunização.

Essa imunização ocorre na ingestão de colostro, o primeiro leite da mãe e é fundamental para a saúde do filhote.

Como ele não teve a oportunidade de se alimentar diretamente do leite materno assim que nasceu, deve receber esse reforço por outros meios.

Os filhotes se alimentam em pequenas quantidades, pois seu estômago é bem pequeno, portanto eles devem ser alimentados várias vezes por dia, o que requer bastante disponibilidade e paciência.

Você pode oferecer para eles um leite artificial caseiro ou alguma receita indicada especialmente por um veterinário. Confira a receita:

1 xícara de leite integral de vaca (dê preferência ao de cabra ou ovelha)

1 pitadinha de sal

3 gemas de ovos sem as claras

1 colher de sopa de azeite de oliva extra-virgem

1 dose de suplemente vitamínico (Nutrifull, Puppy Dog ou similares)

Inclua também uma colher de sopa de óleo de fígado de bacalhau até que os cachorrinhos completem 15 dias de vida. Depois desse período, você pode retirar o óleo da receita.

Se possível use sempre o leite de cabra ou de ovelha ou o de vaca direto da fazenda, sem passar pelo processamento UHT, pois são mais nutritivos e cheios de proteína.

Ofereça o leite artificial com um conta gotas ou seringa, sempre de gotinha em gotinha, pois os filhotes engasgam facilmente e podem morrer asfixiados.

Existem mamadeiras próprias feitas de silicone com um furinho mínimo e que podem oferecer mais conforto para o tratador e para os animaizinhos.

Na primeira semana de vida dos filhotes eles devem ser alimentados somente com o leite artificial, a cada 2 horas, recebendo no máximo 13ml de leite por dia para cada 100g de peso corporal.

Na segunda semana de vida, a frequência das mamadas deve ser de 3 em 3 horas, recebendo no máximo 17ml de leite por dia para cada 100g de peso corporal.

Na terceira semana de vida, a frequência se mantém em 3 horas e a quantidade de leite aumenta para 20ml por dia pra cada 100g de peso corporal.

A partir da quarta semana, as mamadas ficam mais espaçadas, de 4 em 4 horas, no máximo 22ml para cada 100g de peso corporal e já é possível introduzir gradativamente uma papinha bem pastosa;

Na quinta semana de vida é possível suspender o leite artificial e alimentar os filhotes com a papinha de 2 a 3 vezes ao dia e ração própria para filhotes de 2 a 4 vezes ao dia.

O leite artificial pode ser armazenado na geladeira (não leve ao congelador) durante uma semana e você deve aquecer somente a quantidade que vai utilizar a 40 graus.

Não posicione o cachorrinho como um bebê humano, com a barriga virada pra cima, eles devem ficar com a barriguinha para baixo para não se engasgarem.

É importante estimular os reflexos de urina e defecação dos filhotes usando um algodão embebido em água morna ou óleo de bebê e massagear delicadamente o ânus e os genitais do filhote várias vezes ao dia, depois da alimentação, como a mãe faria.

A papinha a ser introduzida na dieta dos filhotes pode ser feita com ração própria para filhotes ou com ingredientes caseiros.

Se você optar por usar a ração, umedeça os grãos com água quente ou com o leite artificial e misture até que fique bem pastosa.

A papinha caseira pode ser feita com legumes como cenoura e mandioquinha (batata salsa), peito e fígado de frango, salsinha para temperar e um pouco de azeite de oliva.

Cozinhe todos os ingredientes muito bem, bata no liquidificador e sirva para os filhotinhos em temperatura ambiente.

Você pode acrescentar alguma vitamina em pó própria para filhotes na hora de servir como complementação.

Atenção! Os filhotes devem ser sempre acompanhados por um veterinário enquanto essa fase de alimentação artificial durar.

Esse profissional vai acompanhar a desenvolvimento dos bichinhos e observar se existe algo de errado com eles.

Benefícios da alimentação natural para filhotes

Uma pesquisa conduzida por duas universidades de Pomona, na Califórnia, ofereceu dieta caseira fresca, levemente cozida a 20 cães saudáveis que costumavam ser alimentados com ração seca e os resultados foram surpreendentes.

Ao analisarem o sangue dos cães depois de 6 meses e um ano de alimentação natural, houve aumento de anticorpos, leucócitos, hemoglobinas e hemácias.

Isso significa que a alimentação natural balanceada aumenta a imunidade dos cães.

Confira mais alguns benefícios da alimentação caseira para os filhotes:

– Umidade: Dietas caseiras possuem no mínimo 70% mais água na sua composição, o que facilita a digestão e protege a saúde dos rins e do trato urinário.

– Sem conservantes: Dietas caseiras não possuem aditivos químicos, saborizantes, conservantes, sódio em excesso e outros itens que podem gerar problemas de saúde no seu cão a longo prazo.

– Sabor: A dieta caseira é muito mais saborosa para o paladar dos cães do que a ração seca industrializada e oferece uma ampla variedade de nutrientes reduzindo o risco de uma intolerância alimentar ou alergias.

– Adaptação: A dieta caseira é 100% customizável, ou seja, você pode criar uma alimentação específica para as necessidades do seu cão.

Os filhotes precisam de mais proteínas, cálcio e nutrientes que garantam o bom desenvolvimento dos órgãos e dos ossos.

Um animal adulto que faz pouco exercício, precisa de certo controle na alimentação para evitar o sobrepeso, e assim por diante.

– Fezes: Como a digestão e a assimilação de nutrientes ocorre de maneira mais completa no organismo, o resultado é um volume menor de fezes, mais sequinho e com odor mais discreto.

Como alimentar cães com alergias

A alergia alimentar, também conhecida como hipersensibilidade alimentar ou dermatite trofo-alérgica, é considerada a terceira maior causa de problemas de saúde nos cães.

Os principais sintomas de alergia alimentar são coceiras na pele, perda de pelo, problemas gastrointestinais e até mesmo dificuldade para respirar.

As coceiras costumam aparecer na região da face, olhos, orelhas, axilas e barriga.

Fique de olho nos ouvidos, pois infecções de ouvido também podem ter relação com alergias, além de diarreia e vômitos que ocorram frequentemente logo após se alimentar.

Retire a ração ou o alimento que você costuma dar para o cão por alguns dias e observe se há melhora no quadro de coceiras e irritação.

Se ele tem melhora com a retirada do alimento, você já descobriu o origem do problema!

O tratamento pode ser feito com dieta hipoalergênica especial, alimentos orgânicos ou dieta caseira balanceada já que não possuem conservantes e aditivos químicos que possam desencadear os sintomas alérgicos.

É preciso observar também se o cão tem alergia a algum alimento in natura como ovos, frango, grãos, etc antes de oferecer para ele uma dieta natural que contenha esses ingredientes.

É imprescindível o acompanhado de um médico veterinário com experiência em dermatologia e habilitado para definir o melhor tipo de alimento que o seu cão deve receber.

Descobrindo através de exames e investigação com os alimentos em uma dieta de eliminação se o seu cão tem alergia a algum alimento específico ou se a alergia definitivamente não é alimentar, então formule uma dieta caseira específica para ele.

A relação ideal entre carboidratos e proteína na dieta do cão alérgico deve sempre de 1 para 1, desde que ele não sofra de outros problemas de saúde como problemas nos rins.

Deve ser acrescentado carbonato de cálcio na dieta, vitaminas, ácidos graxos e sais minerais.

Eliminar ingredientes aleatoriamente da dieta do seu cachorro, sem orientação, é uma má ideia já que pode resultar em desequilíbrios nutricionais.

No artigo de hoje abordamos diversos assuntos relativos à alimentação específica de filhotes em suas diversas fases.

Esperamos que vocês tenham gostado das dicas e que consigam colocar em prática se for necessário.

Novos artigos com dicas interessantes como essas estarão no ar em breve. Acompanhe!

PARE HOJE MESMO DE DAR RAÇÃO PARA SEU CACHORRO

❌ Ração Comercial ?

Já venho alertando isso há tempos. Não só eu, mas diversos e diversos veterinários e cientistas ao redor do mundo:

A maioria das rações comerciais para cachorro são uma verdadeira porcaria!

Você deveria  dar elas quando realmente não tem tempo para dar uma comida de qualidade para o seu peludo.

Se não fizer isso, seu cachorro infelizmente pode estar correndo um grande risco de vida ao comer rações comerciais por anos a fio.

Clique Aqui e descubra o Por que Você deve para de dar Ração Para o seu Cachorro HOJE Mesmo!

Mas então… o que dar para o seu cachorro?

Caso você tenha interesse em ter um cachorro super saudável e cheio de energia, o que eu recomendo é uma alimentação natural e caseira.

Daquelas que nossos pais faziam pros nossos cães muitos anos atrás antes de surgir todas essas porcarias enlatadas não é?

(Não é engraçado como no passado não se ouvia falar tanto de “câncer” e tanta doenças para cães? Por que será né?)

Ao longo dos anos juntei algumas das melhores receitas caseiras que achei.

Juntei todas elas e mais algumas dicas de como por exemplo fazer suplementos e xampus caseiros e coloquei tudo em um lugar só. Esse agora se chama:

O Programa de Dieta do Cachorro de 29 Anos.

Esse é o único programa de dietas e dicas baseado 100% em uma alimentação natural e caseira para você ter um cachorro ainda mais saudável e podendo viver até 134% a mais que a expectativa média da raça.

(Mostro na apresentação provas e estudos do potencial de vida de um cão. É BEM maior que eu pessoalmente imaginava quando comecei a ler sobre o assunto.)

Caso você tenha interesse nisso e também descobrir porque o “Cachorro de 29 Anos”, você pode CLICAR AQUI e saber mais a respeito do programa.

Ali falo o que está incluído em todo pacote e uma pequena apresentação contando algumas verdades que eu descobri ao longo dos anos lendo vários e vários livros. É realmente assustador!

Mas melhor saber toda a verdade antes que seja tarde não é?

É isso!

Até a próxima!
-Cássio

Como Alimentar Filhote de Cachorro – 8 Fases de Crescimento
5 (100%) 1 vote